Lutar contra a crise

Desde muito cedo que me interessei pelo mundo das finanças pessoais, que basicamente não é mais do que conquistar, manter e gerir o nosso dinheiro.  Ser independente financeiramente é um desejo que muitos aspiram e eu não sou diferente dos outros, por isso tenho desde cedo tentado aprender bastante sobre este assunto.

É bastante simpático conferir o quanto as finanças pessoais estão enraizadas na psicologia humana, como elas influenciam os nossos negócios, como influenciam o nosso relacionamento com o resto da sociedade, e como elas são parte activa da vida, quer queiramos, quer não.

Tenho sido um aprendiz atencioso e cauteloso, e decidi fazer aqui uma espécie de apontamento, dos princípios básicos para afastar-se aos problemas financeiros:

Erudição é poder

Uma decisão azafamada e irreflectida, excepcionalmente é uma boa decisão. Muitas vezes somos  coactados a tomar decisões sem ter conhecimento inteira daquilo em que nos estamos a meter. Não se deixe levar pelas “ocasiões únicas” que lhe vão aparecer muitas vezes pela frente. Antes de  investir em alguma coisa, informe-se o mais possível sobre o produto que vai investir. Se o negócio parece bom demais para ser verdade, provavelmente é. Informe-se devidamente e assim reduza as hipóteses de poder ser enganado, aumentando ao mesmo tempo a sua propensão de administrar o seu dinheiro.

Poupe Dinheiro
Hipoteticamente já está a pensar que tem muitas despesas e é-lhe impossível conseguir aforrar alguma coisa no final do mês. A primeira coisa a fazer é uma analise e um registo pormenorizado das suas despesas. No nosso estilo de vida quotidiano, temos muitas despesas que podem ser encurtadas ou eliminadas: ginásios, transportes, refeições fora de casa, tarifários de telemóvel e/ou Internet, etc..
Quer uma sugestão privada? Mande desligar o serviço de Televisão por cabo, e passe dar uma caminhada ou um passeio de bicicleta á noite. É um estilo de vida mais saudável e permite-lhe forrar uns cobres ao final de um tempo. Se as condições climatéricas não o permitirem, fique em casa jogando jogos de tabuleiro, didácticos, familiares que promovam   a convivência familiar.
A partir daqui tem que deliberar o montante a poupar mensalmente, porém, não se esqueça, você deve tratar-se a partir daqui como o seu maior credor. Tal como não pode falhar no pagamento da electricidade ou da água, não pode fracassar no pagamento do fundo “Eu”.  É duro ao inicio, mas depois torna-se um costume,  e com alguma surpresa irá produzir um fundo, que lhe servirá de boia de resgate num dia chuvoso, ou até, algo maior.
Investigue, informe-se como disse anteriormente de qual a melhor conta do mercado para as suas poupanças, sem despesas extras. Os bancos online são uma boa escolha, têm preços mais competitivos do que os tradicionais.
Seguindo estes conceitos básicos e do senso comum, provavelmente não ficará rico, mas ficará muito mais longe de problemas financeiros.

 
Aprenda a gerir o seu orçamento familiar lendo mais dicas em Credito Pessoal, o site que o ajuda a fugir á crise.

Article Source

Sobre o autor: escreva aqui algo sobre si - aparece no final do artigo (pode incluir 2 links)


Artigos Relacionados com a categoria "Gestão pessoal"

Fechar
E-mail It